Isenção do ICMS na movimentação de gado entre estados

Fonte: Dia Rural / via Milk Point. 


Para 2021, espera-se que o rebanho bovino no Brasil alcance o seu maior volume, cerca de 252 milhões de cabeças, o que significa um crescimento de 3,3% no ano, segundo dados coletados pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), que monitora a agricultura e pecuária dos principais países produtores.


Com a profissionalização crescente da pecuária brasileira, é comum que produtores de gado transportem seus animais de uma fazenda para outra, de modo a melhorar o desempenho de acordo com o ciclo do gado e a gestão da quantidade de confinamentos. O que vinha acontecendo até pouco tempo atrás é que os fiscos estaduais entendiam essa movimentação como passível de tributação interestadual.


A confirmação do Supremo Tribunal Federal, realizada no mês abril, que decidiu pela não incidência do Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) entre estabelecimentos de mesmo proprietário, beneficia diretamente os criadores que possuem rebanhos em diversas localidades e que adotam o deslocamento de rebanhos constantemente.


A decisão deixa claro que, caso não existia transferência de titularidade, isto é, não houver comercialização de gado, não há argumento para a aplicação da taxa, apesar da movimentação entre estados.


Com isso, os criadores de gado não são obrigados a arcar com a tarifa estadual, como explica o advogado tributarista Rodrigo Totino, do escritório MBT Advogados Associados. “O atual posicionamento do Supremo Tribunal Federal (STF) esvazia a argumentação dos fiscos estaduais que entendiam que, mesmo pertencente ao mesmo produtor, a movimentação de gado bovino deveria gerar ICMS. Porém, ficou claro que a cobrança é incompatível, visto que não há indícios de comércio da mercadoria”, destacou.



Medida traz economia e aumenta a profissionalização


Entre os benefícios para os criadores está a otimização das fazendas para objetivos específicos e a facilitação da locomoção do gado no período que seja adequado a determinada fase de confinamento, trazendo economia para o negócio.


“A atividade pecuária vem se profissionalizando cada dia mais. Assim, vários produtores rurais transferem rebanhos entre suas propriedades rurais a depender do ciclo do gado e uso das suas propriedades”, complementou o advogado.


A decisão traz mais segurança jurídica ao pecuarista, que pode se programar melhor e utilizar o potencial máximo de suas propriedades. Entretanto, cabe ressaltar que a decisão se refere somente às situações sem comercialização de mercadorias, ou seja, quando não houver transferência de cabeças de gado com o intuito de compra e venda, seja para outras propriedades ou para frigoríficos. Nestes casos, o imposto será cobrado normalmente.

Publicado: 08/07/2021 por COOASAVI

ASSINE NOSSA
NEWSLETTER!