Aprosoja Brasil propõe destinar R$ 3 bilhões do Plano Safra 2021/22 para a construção de armazéns

Fonte: Aprosoja.


A Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja Brasil) está propondo o direcionamento de R$ 3 bilhões do Plano Safra 2021/2022, que se inicia no dia 1º de julho, para o Programa para Construção e Ampliação de Armazéns (PCA).

A sugestão foi apresentada durante audiência pública promovida nesta quarta-feira pela Comissão de Agricultura da Câmara Federal, que discutiu propostas para alocação de recursos do crédito oficial destinados à próxima safra.

Em videoconferência que reuniu entidades do agro, parlamentares e órgãos do governo, o presidente da Aprosoja Brasil, Antônio Galvan, propôs para o programa a fixação de taxas de juros de até 5% ao ano, de acordo com a taxa Selic estimada pelo Comitê de Política Monetária (Copom) para o final do ano.

Galvan sugeriu também a destinação de 50% do volume de recursos do programa para armazéns com capacidade até 1.000 toneladas ou para a construção de condomínios.

Benefícios

“A armazenagem é crucial, mais importante até do que o custeio agrícola. Logística de armazenagem é um dos principais itens para garantir a estocagem daquela safra, que todo ano acontece”, justificou o presidente da entidade. “Também é viável produzir um armazém para quem produz em cerca de 300 hectares ou pequenos armazéns em sistema de condomínio”.

Galvan argumentou ainda que os investimentos em armazenagem vão trazer outros benefícios, como a redução no custo do frete e melhor trafegabilidade das rodovias em tempos de colheita. “Muitas vezes a propriedade está localizada a 100 km do armazém, quando poderia ter um local para guardar a produção dentro da fazenda ou mais próximo da propriedade”, disse o executivo.

“Se tivermos armazenagem nas propriedades, poderemos tirar a safra num período melhor, ganhado inclusive com a redução no custo dos fretes e poupando as estradas tirando a safra no período seco”.

Proposta

Atualmente, o País tem capacidade de armazenagem de cerca de 60% da sua produção. Em Mato Grosso e nos estados do Matopiba (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia), este percentual chega próximo de 50%.

Pela proposta apresentada pela Aprosoja Brasil, a aplicação de recursos em armazenagem retornaria aos patamares da Safra 2013/2014, quando foram destinados R$ 3.2 bilhões ao PCA.

“Esta é uma demanda de todas as Aprosojas estaduais e vem sendo encampada principalmente pela Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso”, disse Galvan.

  



Publicado: 04/06/2021 por COOASAVI

ASSINE NOSSA
NEWSLETTER!